4 de outubro de 2011

Bíblia, a Palavra de Deus. Por que? [Parte II]



Vimos anteriormente as 3 primeiras razões porque a Bíblia é considerada a Palavra de Deus e, dando continuidade, vejamos mais três.


Se você não viu a primeira parte da postagem, clique aqui.



1. Profecias

Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel. [Is 7:14]

Josh McDowell, em seu livro "Mais que um Capinteiro" afirma que no Velho Testamento há 300 referências à vida do messias, as quais se cumpriram todas em JesusAs chances de que apenas 48 destas profecias se cumpram numa pessoa são de 1 em 10157.

Levando também em conta que o último livro que contém profecias acerca da vinda do messias, no caso o livro do profeta Malaquias, foi escrito 400 anos antes do nascimento de Jesus, não podemos associar o cumprimento das profecias em Jesus como meras coincidências.

2. Conhecimentos e referências sobre a Terra

"Ele é o que está assentado sobre o círculo da terra [...]"  (Isaías 40:22)
"O norte estende sobre o vazio; e suspende a terra sobre o nada." (Jó 26:7)

Estudos de Galileu Galilei, em meados de 1600 desvendaram o mistério que pairava sobre a forma do planeta Terra e concluíram que a mesma era redonda.

Na década de 1960, três astronautas são enviados à lua por ocasião de uma corrida espacial entre os Estados Unidos e a URSS e testificam, entre outras coisas, que a Terra paira sobre o vazio do espaço, ou seja, sobre o nada.

Bem, já haviam relados na Bíblia nos livros de Isaías e de Jó há muitos e muitos anos antes. Isaías escrito em 700 a.C. e Jó aproximadamente no século V a.C. como dito acima.

Sem contar que Lucas faz menção corretamente de vários pontos geográficos no livro de Atos, o que prova que as viagens realmente ocorreram. 

A arqueologia afirma que um barco do tamanho da Arca de Noé sobre um monte da Turquia chamado Ararate, como escrito em Gênesis 8:4, bem como a existência de fósseis de baleias e animais marinhos em montanhas da China e no Everest o que prova o dilúvio. 

3. Única em sobrevivência:

Através dos temposPor ter sido escrita em material perecível, foi sendo copiada durante centenas de anos, antes da invenção da imprensa, e seu estilo, exatidão ou existência não foram prejudicados. Comparada com outros escritos antigos, a Bíblia possui mais provas em termos de manuscritos do que, juntos, possuem os dez textos de literatura clássica com maior número de manuscritos. Os judeus a preservaram como nenhum outro manuscrito foi jamais preservado. Com amassora eles verificavam atentamente cada letra, sílaba, parágrafo e palavra. Quem alguma vez contou as letras, sílabas e palavras dos textos de Platão, Aristóteles, Cícero ou Sêneca?


Em meio a PerseguiçãoA Bíblia tem sido o livro mais perseguido de toda a história. Desde o tempos dos imperadores romanos até o atual comunismo. Muitos tentaram profetizar a sua extinção, e estes morreram e ela permaneceu intacta até hoje. Muitos perderam as suas vidas para protegê-la, por simplesmente tê-la em suas casas. Milhares já foram queimadas em praças públicas, porém ela sobreviveu a tudo isto.

Sobrevivência em meio às críticas:  Durante 18 séculos, incrédulos tem refutado e criticado esse livro, e, no entanto ele resistiu a tudo. Uma dessas criticas pesava sobre o Pentateuco (os 5 primeiros livros de Moisés).  Afirmava que Moisés não poderia tê-lo escrito pois não havia na época escrita alguma. Mas então descobriram o “obelisco negro” de data pré-mosaica (3 séculos antes de Moisés) onde haviam letras cuneiformes e leis de Amurabe. Isto calou a boca dos críticos.  Apesar de todo o esforço dos críticos em tentar tirar os créditos da Bíblia todo o esforço tem sido em vão. Muitos destes críticos quando buscam seriamente as respostas chegam a uma conclusão: A Bíblia tinha razão!


Fontes:
"Mais que um Carpinteiro" e 
"Evidência que exige um Veredicto I", Josh McDowell

Leandro Duarte

Um comentário:


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...